21 janeiro 2018

Street Fighter V Arcade Edition lançado - Algumas impressões


Nihao! A Tia Bia desaparecida deu as caras!!!! =P Era para eu ter feito esse post antes. Mas coisas a se fazer, aliado a preguiça extrema só me fez sentar para escrever agora. Fazer o quê, né? =/

Mas vamos ao que interessa. E sim, vai ter spoiler, então não adianta reclamar.

Dia 16 saiu finalmente o Street Fighter V - Arcade Edition. O jogo trouxe mudanças com novos V-Triggers, balanceamento de personagens, mudanças na obtenção de FM, além de novos modos de jogo, incluindo o tão pedido modo arcade.

O post vai ser analisando mais a parte estética do jogo, visto que, graças ao meu note de bosta, não pude nem sequer testar a Sakura.

Sad, but true
Esteticamente, houve uma mudança no visual, tanto da tela de seleção de personagens, quanto no visual de alguns deles.

Note as mudanças sutis na imagem de Ed.
Outra coisa bacana é a inclusão do V-Trigger II, criando novas possibilidades para o seu personagem favorito, além de combos lindos.


E falando no tão esperado Modo Arcade, ele contempla todas as séries de Street Fighter lançadas, do SF 1 até o SF V. Uma coisa a se notar é que, devido a falta de alguns personagens, dependendo da série escolhida, o Modo Arcade fica meio incompleto (sim, estou falando de Sagat e Gill). E seguindo o que ocorria em SF III 3rd Strike, você escolhe o seu oponente antes da luta.

Talvez o que chame a atenção neste modo é a quantidade de finais presentes e algumas curiosidades envolvidas, além de terminar descobrindo ou deduzindo qual final seria canônico para cada personagem, além de algumas curiosidades e piadas, dependendo da série. "Mas como assim, tia Bia?" - me fala o pequeno gafanhoto. Calma que irei (tentar) explicar.

Abaixo os finais de SF 1 de Zeku e Bison/Balrog.



O primeiro final (mesmo Zeku, teoricamente, nunca tendo participado do SF 1) é a confirmação de uma antiga ideia de Akiman, onde Zeku aceitou Guy como discípulo após esse falhar em um exame de admissão. E que pelo visto é cânon agora! =P

No segundo temos uma pequena piada. Todos sabem (ou eu acho que devem saber) que o personagem Bison/Balrog é o "sucessor espiritual" de Mike (boxeador do SF 1), tendo até uma certa confusão (incluindo na própria Capcom, como podem ver aqui) se eles eram o mesmo personagem ou não. Esse final, além de provar que ambos são pessoas diferentes, brinca com essa questão, onde vemos Bison/Balrog tendo um sonho estranho com o Mike.

Dentre finais que seriam canônicos para os personagens, temos o de Nash da SF Zero 2 (que já tinha sido confirmado no modo história dele e em A Shadow Falls), o de Vega/Bison da SF Zero 2 e o final do Ryu de SF Zero 3, com algumas mudanças sutis, como vocês podem verificar:




Outros finais são pura "encheção de linguiça", momentos "e se", mais do mesmo, ou fanservice puro. Além de, claro, alguns serem cânon, mostrando um pouco do que aconteceu após os eventos de A Shadow Falls. Eis alguns exemplos.

O final de Nash é praticamente o MESMO do modo história geral, porém tendo uma cena dele morrendo nos braços de Guile, o que tornou bem mais tocante. 

Momento "e se". Eis o que teria acontecido se Ryu tivesse perdido a batalha. E imagino que Chun-Li (caso ela tivesse vencido FANG aí) teria o mesmo destino, junto com Guile (que ficou de figurante), nas mãos do senhor da Shadaloo.

O de Kolin poderia se encaixar tanto como um final cânon, como sendo o momento que Urien descobre a verdade, como um "e se", pois o último quadrinho pode deixar uma interpretação mais "macabra". E com um bônus: A BUNDA DO URIEN!!!!!

Momento "e se", caso Menat enfrentasse Vega/Bison no fim.

Momento fanservice com Karin Kanzuki

Um final cânon, "encheção de linguiça", mostrando a um pouco da vida de Chun-Li com Li-Fen. Não é nada que acrescenta algo grandioso ao roteiro, mas um fanservice curioso (e me identifiquei demais com a Chun-Li aí. Sim, antes de me casar, só faltava eu por fogo na casa! :v )

Final "encheção de linguiça", com direito a referência que deixaria Capitão América pirado! Devido a uma antiga música oficial de Bison/Balrog, me pergunto se isso não reflete um pouco um sonho que ambos poderiam ter: De lutar e ganhar dinheiro com isso, levando a plateia a loucura.
Além disso, também temos a presença de Shin Gouki/Akuma como personagem secreto no Modo Arcade. Me pergunto se futuramente, "Shin Necalli" irá dar as caras, como informou o X-Kira.

Outra coisa que está no modo arcade é a volta do bônus do barril, com algumas mudanças.


E conforme você joga, acumula pontos que irão para o Placar de Líderes Online, podendo ganhar títulos únicos. E dependendo da maneira que você joga, acumula mais pontos. Isso sem falar nas MARAVILHOSAS ilustrações extras, de diversos artistas, um verdadeiro fanservice para os fãs! =D






Porém, temos um ponto negativo: VOCÊ NÃO GANHA FIGHT MONEY. irei falar sobre isso mais abaixo.

Além do Modo Arcade, o jogo nos oferece o Mode de Batalha de Times, um versus, onde você e seu oponente podem criar um time de até 5 personagens, por eliminação ou "melhor de".


E outra coisa bacana é o Modo Extra que oferece coisas interessantes como novos trajes, títulos, EXP e Fight Money! Pedaços dos trajes são obtidos através de desafios semanais, investindo uma quantidade de FM para participar. Dos trajes confirmados temos o de Rashid como Viewtiful Joe, Karin Kanzuki como Ingrid e Chun-Li como June de Plasma Sword/Star Gladiator.




Abaixo, vocês podem conferir o cronograma para obter o traje de Rashid.


Assim como nos trajes, alguns títulos especiais aparecerão ao longo do ano, e tendo um custo inicial de FM para o jogador tentar consegui-lo.


Falando no FM, ele agora será obtido através das já conhecidas missões semanais e do modo Extra. O jogador deve prestar atenção nos soldados dourados que ele enfrentar durante o modo.


E, ao contrário dos outros desafios mostrados, esses soldados possuem um número limite de quantas vezes o jogador pode vencê-los, como poder ver abaixo.


E claro, por último, não poderia deixar de falar da volta de Sakura.

A personagem, que inclusive ganhou a enquete feita pela Capcom (e que alguns fãs estão contestando, afinal era possível votar mais de uma vez no mesmo personagem), não é mais aquela adolescente eterna estudante, atualmente Sakura trabalha meio período e tenta se dedicar a luta. Mas algo nela continua a mesma: Ryu. Ali ficou evidente o quanto o japonês é importante para Sakura e, após diversos fanservices dele com a Chun-Li, tivemos uma cena com a Sakura que ficou clara qual é a sua real intenção (mesmo Ryu não se tocando).


Tanto que, como sempre, a internet (eu inclusive) não perdoou!





E falando na Chun-Li, Sakura, durante o seu V-Trigger I possui um golpe praticamente idêntico (só que mais fraco) ao Kikousho: Hogasho.


Achei bastante curioso isso, ainda levando em conta que Sakura na série SF IV tinha demonstrado interesse em ser uma "side kick" da Chun-Li em alguma missão.

Bem, vou terminar por aqui. E vocês estão curtindo essa nova temporada do jogo? Mudariam algo? Eu sinceramente estou é contando os dias para o novo Cinematic Story! =P See ya!!!!


Fonte (detalhes sobre os modos): Capcom-Unity

13 janeiro 2018

O fórum SKR irá continuar!


Essa semana, postei a triste notícia que o fórum SKR (um dos mais antigos da área), iria finalmente ter o seu fim.

O mais triste disso tudo é que, sabendo cavucar, o usuário encontraria muita informação bacana e alguns materiais raros, como mostrado nas imagens abaixo.

Duas páginas sobre Ryu e seu cenário do livro "All About Street Fighter Zero 3"

Página sobre Ryu e Evil Ryu do "Street Fighter V Pia Encyclopedia - Characters Chapter"
Porém, eis que uma luz apareceu no fim do túnel e o fórum VAI continuar! estão planejando uma migração para o Discourse e estão sondando se é possível fazer um Patreon para ajudar a manter o fórum vivo. A notícia completa, você pode conferir aqui. E além disso um dos usuários fez um fórum alternativo para quem quiser usar.

E aqui vai uma nota ao usuário abençoado e filho lindo de Deus @StvenJH que fez o favor de colocar TODAS AS PÁGINAS DESSE MARAVILHOSO TÓPICO GIGANTE CHEIO DE INFORMAÇÕES SOBRE SF no archive.org. Meu querido, tu garantiu a sua vaga no céu!! =D

09 janeiro 2018

O fim do Fórum Shoryuken


Ontem, o Portal Shoryuken anunciou uma notícia triste, que marca o fim de uma era: O FIM DO SEU FAMOSO FÓRUM.

Essa notícia além de me pegar de surpresa, me fez sentir uma certa "dor". Querendo ou não, no meio das discussões ali tinha MUITO MATERIAL BACANA, para quem curte pesquisar alguma curiosidade sobre o seu jogo favorito. Aliás, eu destaco o material presente sobre SF, desde o plot guide, até membros que possuem acesso a algum material japonês antigo ou atual, publicando scans e traduções, mostrando diferenças e curiosidades entre os materiais e ports.

O fórum será fechado no final desse mês, possibilitando os membros de migrarem para outro lugar e salvar algo do conteúdo (coisa que estou fazendo com algumas informações mais relevantes).

A notícia completa, você poderá conferir aqui.

E não me perguntem como ficará o trabalho do plot guide. Infelizmente não sei dizer, ao menos por enquanto.

03 janeiro 2018

Laura e Anitta: Vamos olhar para dentro de si e sermos coerentes


Nihao pessoas. É a primeira postagem do ano vai ser de papo-cabeça. Como estou sem nenhuma paciência, irei direto ao que interessa.


Depois de um certo tempo, volto a ver novamente problematizações envolvendo a personagem Laura. Quem está chegando de paraquedas no meu blog agora, deixo claro que, na época da divulgação da personagem Laura Matsuda, eu fui uma das poucas pessoas que defendeu a personagem, no Fighters e nesse artigo daqui do meu blog.

E como esse é um assunto que volta e meia aparece, creio que nunca é demais eu reafirmar o meu ponto de vista.


Quero deixar BEM claro aqui que eu assumo que há exageros e que eu deixei de comprar produtos por isso. PORÉM, eu não luto para que personagens como a Laura, a Mai Shiranui, a Angel, a Morrigan deixem de existir. Porque a sexualidade, o erotismo, a, perdoem-me pelo termo, a putaria pura e simples, existem desde os primórdios da humanidade. O sexo é algo que está em nós, não importando se você considera tal coisa como sublime ou como sujo. Ele está lá. E excetuando algumas pessoas, a libido faz parte da gente e terminamos, seja consciente ou não, liberando isso, esses "hormônios em fúria", de várias formas.


Seria hipocrisia da minha parte querer proibir, limar isso, quando eu mesma deixo claro a minha paixão pelo personagem Ryu (que é bem antiga, desde os meus tempos de criança) e pelo novato Ed, sendo eles meus "musos", assim como muitos rapazes tem as suas musas, seus objetos de desejo e etc. Justamente por eu ter tido a coragem de me olhar no espelho e de encarar uma realidade, que eu não luto para que essas personagens serem limadas. Eu LUTO SIM, para que se haja UM EQUILÍBRIO, que se tenha fanservice para todos. Eu não quero "matar" a Morrigan, eu quero é que mais "Alex bombeiro" apareçam.


Eu quero algo realmente diversificado e não vou me esconder atrás da palavra diversidade, para na verdade bancar uma "neo-puritana hipócrita", onde eu exijo que tal coisa seja extinta de um lado, mas não me importando nenhum pouco se a mesma coisa ocorre no outro.

Tanto que, quando vejo, imagens como essa abaixo, eu fico realmente pensando se que quem a fez concorda realmente com o ilustrado ou tentou forçar a barra, se esquecendo de um certo ponto crucial:


A sensualidade do sexo masculino e feminino são DISTINTAS! Eu não irei negar que possa existir alguma similaridade, mas se ela queria fazer realmente uma "troca equivalente", que trabalhasse a sexualidade masculina, para assim começar um debate de maneira mais honesta (e não entrarei no mérito se ela diz não a sexualização feminina e dá de ombros para a masculina).

Porque sendo bem sincera, falando exclusivamente por mim, eu como uma mulher hétero, não acho sexy um homem arregaçando a bunda para mim, como no desenho, e sim algo que mostre alguma virilidade, força. Até porque, quando eu desenho algum personagem masculino que curto de maneira sensual, não faço um copy + paste de poses femininas e sim, procuro o desenhar da maneira que eu considero sexy.

Nessa questão, eu cito o exemplo da desenhista Aenaluck, quando esta representa os seus personagens masculinos. Ela não fica desenhando eles em poses femininas, ela simplesmente SABE TRABALHAR a sensualidade masculina (ou seja, meninos e meninas, aprendam com ela). Tanto que é impossível eu não babar mesmos nos trabalhos yaoi dela.


Um outro exemplo é a japonesa P.Labo (que infelizmente sumiu), que tinha como muso o personagem Vega/Bison. Eu nunca vi esse personagem com outros olhos (diferente do Ryu e do Ed), até conhecer os desenhos dela.


Eu assumo que quando olhei para os Lordes Vegas/Bisons dela, a primeira coisa que me passou pela cabeça foi "me transforma em Doll". Ela soube trabalhar de uma maneira maravilhosa e extrema a sensualidade dele, sem necessariamente o deixando nu e muito menos fazendo copy + paste de poses da Cammy (pois quem conhece a história de SF sabe que a personagem é um dos corpos extras dele).

E é por justamente curtir trabalhos como esses, que continuo querendo um equilíbrio. Pois até conseguiram me fazer "estremecer" pelo Vega/Bison, justamente por saberem trabalhar e saber sexualizar um personagem masculino que eu, como fã de SF, nunca tinha sequer pensando em tal coisa.

Porém, o que acho mais engraçado dessa tentativa de ressuscitar a polêmica da Laura, é justamente no período que estamos: quando Anitta divulgou para o mundo o seu clipe "Vai Malandra":


Vamos ser sinceros. Uma música, ainda mais de uma cantora (independendo de você gosta dela ou não) que está sendo reconhecida internacionalmente, tem muito mais alcance com o público do que um jogo de videogame, por mais que a série possa ser famosa.

E o que vemos no clipe da Anitta? Bundas e mulheres em trajes mínimos. E por mais que argumentem quanto a diversidade de corpos, tipos e celulites, não deixa de ser uma exposição do corpo feminino do mesmo nível dos comerciais de cerveja que eu via esse pessoal apontando o dedo como algo inadmissível.


Reclamaram na época da Laura que ela vendia uma imagem errada do Brasil, seja com o seu cenário (por ser o Rio e mostrando uma favela), assim como uma imagem errada da mulher brasileira, como se todas fossem estilo periguetes, fáceis, por mais que o jogo deixasse claro que Laura não é uma mulher do tipo (só há um ÚNICO personagem masculino que fez o coração dela estremecer ali, o Zeku), e principalmente, a objetificação da mulher negra. Aliás, quanto a esse último ponto, digo que ela é parda, mestiça com sangue japonês ainda. E se você não acredita que pardos existem, duas coisas: você está copiando uma classificação racista, repetindo a lógica do racismo científico e eu que escrevo isso, já que não existo, sou a Rainbow Dash e fico fazendo "Sonic Rainboons" por aí.
   
E no clipe da Anitta, bem... Vemos a MESMA COISA QUE ESSE POVO RECLAMOU DA LAURA, MAS FICA APLAUDINDO NO CLIPE, POIS FOI UM "LACRE". Claro, há exceções. Existem aquelas que continuam com o mesmo discurso de objetificação, mesmo no caso da Anitta. Ao menos, nessas, consigo ver um pouco de coerência (o que não quer dizer que eu concorde com a opinião).


Podem até dizer que a Anitta, como pessoa, tem o direito de escolher como vender o seu produto, mesmo que para isso, use de uma imagem sensual da mulher carioca, não apenas da própria, como também de outras, o que não valeria para a Laura, pois a mesma é um personagem, não tendo essa escolha.

Porém, aí entramos numa questão interessante. Então, seria correto, usando a mesma linguagem desse pessoal, uma mulher vender uma imagem objetificada do seu corpo, mas seria errado um artista, ou alguma outra pessoa, representar em um personagem essa mesma objetificação? Seria correto mulheres usarem trajes do tipo e se expor desta forma na rua, mas seria muito errado alguém desenhar uma personagem usando esses mesmo trajes? Então é errado qualquer pessoa fazer uma representação disso, por mais que nós mesmos alimentamos esse tipo de representação e vendamos esse tipo de imagem (vide não apenas o clipe, como novelas e outros produtos)? Estão conseguindo compreender onde quero chegar?


Dizem que nós mulheres somos livres. Que devemos usar a roupa que queremos, que devemos vender a nossa imagem como acharmos melhor e passar por cima de preconceitos. Que devemos ser livres com a nossa sexualidade, como homens também o são. Que podemos ser santas ou putas e nos sentirmos bem com isso, mandando uma banana para a sociedade hipócrita. Porém essa opinião muda quando são confrontados com representações de todo esse discurso, quando a mídia vende uma imagem que só é considerada negativa quando lhe é conveniente.

Eu sinceramente, me pergunto, se esse pessoal quer realmente lutar pela nossa liberdade, ou se na verdade querem apenas repetir a mesma opressão que dizem, só que dessa vez, em cima da figura masculina.


Então, por favor, antes de querer novamente apontar o dedo para a Laura, vamos olhar para nós mesmos (e não é fácil, pode doer e MUITO). Vamos deixar cair a máscara da hipocrisia e assumir nossos desejos, sexualidade, fantasias e vontades. É bom fazer essa reflexão e ver se não nos tornamos o monstro que queremos combater. Pois no caso de Laura e Anitta deixaram bem claro a hipocrisia que impera entre aqueles que também se dizem de "boa vontade".

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários